News

ArteBa 2016 | Stand Emma Thomas

Premiada na edição de 2012, Emma Thomas participa pelo quinto ano da edição especial de 25 anos da feira ArteBA, em Buenos Aires

Galeria terá em seu stand obras de Victor Leguy, Hugo Frasa, Lucas Simões e Marcelo Cipis

São Paulo, maio de 2016 – a Galeria Emma Thomas participa da vigésima quinta edição de aninersário da feira argentina de arte ArteBA, que acontece entre 19 e 22 de maio no pavilhão La Rural, em Buenos Aires. Em seu stand estarão expostas obras de Victor Leguy, Hugo Frasa, Lucas Simões e Marcelo Cipis.

A ArteBA foi a primeira feira internacional da galeria Emma Thomas que este ano completa 10 anos, e na edição de 2012 ganhou o prêmio de melhor Galeria do Barrio Joven – área destinada a novos espaços e artistas. Nesta edição, pesquisas, vertentes e projetos ligados aos novos paradigmas brasileiros serão apresentados pela galeria e artistas ao público argentino.

Victor Leguy
A série Estruturas para fronteiras invisíveis, 2016. é uma pesquisa em andamento desde 2015, que procura rearticular antigas narrativas sobre os períodos de imigração em São Paulo, a partir de uma desconstrucão de narrativas tidas como oficiais contidas em materiais de ensino público e privado - O livro Retalhos da Velha São Paulo (Geraldo Sesso Junior) é utilizado até hoje como material e fonte de pesquisa para alunos de história em escolas públicas e particulares de São Paulo, mostrando uma visão caricata, positivista e bastante equivocada sobre o advento da imigração nas cidades de São Paulo, apagando fatos importantes ocorridos ali, que mudaram os rumos do desenvolvimento Paulista, além de deixar marcas profundas culturais e religiosas. A pesquisa buscou através de alguns “personagens” citados no livro, uma investigação de suas reais histórias que estavam perdidas em arquivos publicos, locais informais e arquivos pessoais de diversas famílias, descendentes diretos dos personagens citados no livro de Geraldo Sesso Jr. 

Desta forma os arquivos orais coletados durante os meses de pesquisa nestes redutos de imigração, hoje preservam fragmentos perdidos, sob a forma de objetos, documentos, fotos, entre outros e que foram trocados com o artista por outros objetos pessoais do mesmo, estabelecem então, uma outra relação de contato e ampliam as possibilidades de entendimento de uma história apagada por narrativas e discursos estabelecidos pelo poder ( se fazendo valer do ensino) do Estado. Silêncio nas indústrias Órion S/A, Milicianos no Largo da Concórdia, Cruzeiros e Santas Cruzes, Dito das Graças entre outros, nomeiam algumas obras desta série, que são uma espécie de retrato expandido de cada caso, de cada estória contada e recontada sucessivas vezes. Os trabalhos são pintados com um pigmento branco da linha do horizonte para cima, sugerindo uma espécie de anulação, de apagamento, de embranquecimento onde acima desta linha tudo deixou de existir talvez? ou foi apagado para que se pudesse recomeçar “do zero”, como a sala de uma casa, que ao se operar esta ação, abre-se espaço para o novo, ultilizando a cor branca que simboliza, entre muitas coisas este modelo estético predominantemente ocidental, que tambem higieniza de uma forma eficaz, fria. 

Hugo Frasa

Um ideário incerto e sem rumo, amor e ódio ao meio artístico e seus cânones nacionais. Deslocamentos territoriais como se continentes ou placas se reagrupassem e então se reorganizassem, numa experimentação intuitiva das teorias da “geometria sensível”. As monocromáticas composições se aventuram a entender se a soma das partes é diferente da interação das mesmas e em que sentido o “Todo”, caminha em uma mesma direção mesmo sem conexões eventuais.

Hugo tem forte influência da produção dos 60 e 70 na arte brasileira, mas opera sem expectativas ou ambições através de seus esquemas, a matemática lúdica das dificuldades nos relacionamentos interpessoais.

Lucas Simões

A nova pesquisa desenvolvida pelo artista Lucas Simões, apresenta uma nova série de trabalhos resultado da pesquisa sobre elementos tradicionais da arquitetura de países tropicais, tal como os muxarabis, e a noção de intimidade criada por estes. E em relação aos movimentos modernos sobre o quanto de nostalgia se carrega ao se pensar utopias.

A escultura com barra de metal e elementos de sustentação - que em pesquisas anteriores não eram aparentes - são expostas como um novo elemento a ser investigado. Em 'Vertigem' e 'Volátil', fragmentos geométricos de concreto são atravessados por tramas flexíveis, suspensos no espaço e sem um limite espacial tão definido como as séries anteriores 'Abismos' e 'Vazios'.

A relação com a gravidade, o tempo, o peso e a impermanência são intensificados nesta inversão estrutural. A tentativa de encontrar o limite entre a utopia e a nostalgia.

Marcelo Cipis

O trabalho artístico de Marcelo Cipis há muito busca refletir as possibilidades de existência do artista e do objeto artístico em um mundo em que tudo deve devir mercadoria. Há em seu trabalho uma ficção industrial que projeta sobre o ideal do artista uma personalidade corporativa e midiática.

Como sugerem as séries sobre espaços de arte como produtos publicitários - que ora celebram a troca universal de valores, ora apresentam a partilha do corpo do artista servido em postas para um público educado - essa convivência é agônica e passional. O consumo como ação polissêmica e o sacrifício como rito sem sentido se congregam.

Galeria Emma Thomas @ ArteBA

Booth C6  | Pavilion Verde

Avenida Sarmiento 2704, Buenos Aires
Pabellones Azul y Verde

19 al 22 de mayo de 2016

14 a 21 h

www.arteba.org

Awarded in the 2012 edition, Emma Thomas gallery participates for the fifth time of the Special Edition 25th Anniversary of arteBA fair in Buenos Aires

The gallery will showcase works by Victor Leguy, Hugo Frasa, Lucas Simões and Marcelo Cipis.

Sao Paulo, may 2016- Emma Thomas gallery will participate in the twenty-fifth edition of the Argentinian art fair arteBA, which will be held from May 19th to 22nd in La Rural, Buenos Aires. The stand will promote works by Victor Leguy, Hugo Frasa, Lucas Simões and Marcelo Cipis.

arteBA was the first international fair Emma Thomas participated in. Our gallery celebrates 10 years, and in the 2012 edition was awarded best gallery in Barrio Joven, an area devoted to new spaces and artists. In this edition, new searches, outcomes and projects linked to new Brazilian paradigms will be presented by the gallery and the artists to the Argentinian and international audience. 

Victor Leguy

Structures for invisible boundaries, 2016. is an ongoing research since 2015, which seeks to reorganize old narratives about periods of immigration in São Paulo, from a deconstruction of narrative taken as contained in official public and private teaching materials - The book Snips of Old São Paulo (Geraldo Sesso Junior) is used today as material and research source for history students in public and private schools in São Paulo, showing a caricature, and positivist quite mistaken view about the advent of immigration in the cities of São Paulo, erasing important facts that occurred there, that changed the course of the São Paulo development in addition to leaving cultural and religious deep marks. The research sought through some "characters" mentioned in the book, an investigation of their real stories that were lost in public archives, local informal and personal files of several families, direct descendants of the characters mentioned in the book of Geraldo Jr. Sesso
Thus oral files collected during the months of research in these immigration strongholds today preserve lost fragments, in the form of objects, documents, photos, and others that were exchanged with the artist by other disclosure of personal objects, giving rise to one other contact relationship and expanding the possibilities of understanding of history erased by narratives and discourses established by the power (taking advantage of education) of the state.
Silence in industries Orion S / A, Militiamen in Largo Concordia, Cruises and Holy Crosses, Dito das Graças, among others, nominate some works from this series, which are a kind of expanded portrait  in each case, stories told and retold successive times.The works are painted with a white pigment, in horizon line upwards, suggesting a kind of annulment, of erasure, of whitening where above this line all ceased to exist perhaps? or has been deleted, so that it could start "from zero”, as the living room of a house, that when operating this action opens up space for the new, where the white color symbolizes among many things, this predominantly Western aesthetic model which also cleans in a cold and effectively manner.

Hugo Frasa

An uncertain and aimless ideary, love and hatred towards the artistic world and its national canons. Territorial dislocations, as if continents or plaques regroup and reorganize, in an intuitive experimentation of the “sensible geometry” theories. The monochromatic compositions venture to understand that the sum of the parts is different than its interaction, while the sense or "All" walks in the same direction, without any eventual connections.

Hugo has a Strong influence of the production of Brazilian art in the ‘60s and the ‘70s, but operates with no expectations or ambitions through his schemes, manifesting the mathematical ludics of the difficulties in interpersonal relationships.

Lucas Simões

The search developed by the artist Lucas Simões presents a new series of works which result from an investigation about traditional elements in the architecture of tropical countries, such as muxarabis, and the notion of intimacy created by these, in relation to the modernist movements and the nostalgy carried when we think about utopias.

The sculpture with metal bar and support elements- which in previous searches were not apparent- are exposed as a new element to be investigated. In “Vertigem” and “Volatil”, concrete geometric fragments are crossed by flexible frames, suspended in space, without a defined limit, as the series “Abismos” and “Vacios”.

The relationships between gravity, time, weight and impermanence are intensified in this structural inversion. It is the tentative of encountering a limit between utopia and nostalgia. 

Marcelo Cipis

The work of Marcelo Cipis has been searching for some time to reflect the possibilities of existence of the artist and the artistic object, in a world where everything is converted into goods. In his work, there is an industrial fiction that projects over the ideal of the artist as a corporative and media personality.

As the series of works of art as advertisement products suggests, the universal exchange of values is celebrated, presenting a division of the artists’ body served for an educated audience, coexisting passionately and agonizing. Consumerism as a polysemic action, and sacrifice as an aimless ritual are congregated.