News

Emma Thomas + Epicentro

No dia 04 de abril, das 17h às 22h, ‘Epicentro’ + ‘Emma Thomas’ inauguram com a mostra individual da artista Erika Malzoni, uma ação dos artistas Thiago Szmrecsányi e Natalia de Campos (ART&COM) e uma instalação de Lucas Bambozzi, em cartaz até o dia 29 de abril, horário de visitação de terça à sexta das 12 às 20 horas e sábados das 11 às 19hs. 

O programa de intervenções e instalações que será desenvolvido pela Emma Thomas no Epicentro no decorrer de um ano, relacionam as disfunções da ideologia do capital e também sua contraposição, a reconexão com a natureza, com o essencial e com a obsolescência dos velhos modelos de produção artística. O próprio espaço expositivo como um site specific de diferentes coletivos, artistas e projetos – idealizado pelo Epicentro – traz esta nova forma de pensar uma plataforma de arte, flexível, orgânica e dentro dos paradigmas da nova economia.

///

Precisamente Imperfeitos

ERIKA MALZONI

é fruto da pesquisa desenvolvida nos últimos quatro anos trabalhando com apropriação de materiais do cotidiano e sua atenção em coletar, reordenar, ressignificar, transcender a função original e potencializá-los em uma nova lógica.

Érika estabelece um jogo de incessante ação na revisão das coisas, desde encarar a banalidade dos objetos às relações de transmutação estrutural, com rearranjos formais e simbólicos. As peças são assim desmembradas de sua posição laboral tradicional, e adquirem uma função outra de concretude, com dilatações matéricas de seu núcleo.

As obras em seu diálogo silencioso, também evocam o lugar da morte e da vida, a passagem de uma coisa à outra, circulação, a transição inerente a tudo.

///

RELOCAÇÃO ART&COM

Thiago Szmrecsányi & Natalia de Campos/ Syncretic Pleasures

ART&COM é uma instalação-performance-exposição colaborativa com mídia mista, estórias e interações, que originalmente converteu dois espaços comerciais vagos do Jamaica Colosseum Mall (Queens, Nova Iorque) em um centro de exposições. Seu conceito foi desenvolvido por Thiago Szmrecsányi e Natalia de Campos / Syncretic Pleasures, evoluindo com contribuições dos comerciantes deste shopping center. Com a curadoria de Heng-Gil Han e Kalia Brooks para o projeto JAMAICA FLUX, apoio do Jamaica Center for Arts & Learning, ART&COM contou com texto crítico e apreciativo de Edward D. Miller ("Como vender nada") e Alix G. Camacho Vargas.

Em RE-LOCAÇÃO, ART&COM fará parceria com a Emma Thomas desta vez em São Paulo, após projeto realizado em 2016 no espaço pop up da galeria do Lower East Side, Nova York. ‘RE-LOCAÇÃO’ investiga as idéias e relações entre produtos e arte e seu comércio. O processo de fazer e as escolhas em vendê-los também estão no centro da mostra. Será que os artistas apresentam sua prática social, ou suas obras de arte para a venda? Será que os conceitos desenvolvidos podem ser cristalizados, ao mesmo que evoluem?

Com a comercialização em uma economia em transformação, o fazer e apresentar se torna um jogo, um exercício, com desafios que Natália e Thiago (residentes em Nova York) experienciam na realidade tanto dos EUA como do Brasil. Uma luta comum, que manifesta-se no próprio existir, frente à forças econômicas que se impõem, em forma de esculturas, textos, jogos, fotos, performances, vídeos ou ações.

http://jamaicaflux.info/project/artcom-work-displa...

http://jamaicaflux.info/writings/how-to-sell-nothi...

http://jamaicaflux.info/writings/2016/qmfa/artcom-...

///

Lucas Bambozzi | DAS PALAVRAS MAL FALADAS (2003-2017)

Série composta por vídeos e objetos. Na instalação, as obras ‘VELOCIDADE’, 2017 - conjunto de monitores de vídeo que alterna em tempos diferentes a frase Quanto mais velocidade mais a paisagem vira passagem (atribuída a Paul Virilio) & ‘TEMPO’ (TIME SHIFT), 2003 - sequencia em vídeo que retrata uma profusão de relógios baratos ou promocionais encontrados em padarias e bares de diversas cidades, abordam reações diversas a palavras associadas à contemporaneidade. 

///

Sobre Epicentro

s.m.

Ponto da superfície da Terra onde primeiramente chega a onda sísmica.

Dedica-se a refletir e a fomentar formatos alternativos de produção cultural e de interação com o bairro. Pensado como um espaço multidisciplinar, o prédio abriga estúdios de criação e atividades que promovem o diálogo entre as diferentes formas de cultura contemporânea.

///

Sobre a galeria Emma Thomas

A galeria Emma Thomas foi inaugurada em 2006 com o intuito de ampliar a discussão em arte contemporânea, modificando e adaptando as práticas do meio a fim de aproximar a produção artística do público - democratizar o acesso ao conteúdo e ao consumo de cultura nacional. É uma das pioneiras no circuito de jovens galerias brasileiras trabalhando transversalmente com os artistas, curadores e coletivos, através da elaboração de mostras, palestras, cursos, feiras nacionais e internacionais. A galeria se caracteriza por sua pulsante atividade e como ambiente livre para a experimentação, amadurecimento, fortalecimento e consolidação da cena artística local. Ao longo dos últimos anos, acumulou diversos prêmios como Melhor Galeria Jovem em Buenos Aires (ArteBA), segunda melhor Galeria de São Paulo pela revista Época e pela Folha de São Paulo em 2015. Em 2016, a galeria abre um novo espaço de intercâmbio e mostras pop up no Lower East Side, Nova York, e paralelamente em São Paulo atua fora do ‘cubo branco’ em ocupações e intervenções nômades e colaborativas, como possíveis novas plataformas para o questionamento cultural. Em 2017 é indicada pelo portal Archdaily à melhor projeto arquitetônico de 2016, desenvolvido pelo Studio MNMA em parceria com A Estufa (foto André Klotz).